2ª Edição


EVENTOS ABERTOS E LABORATÓRIOS

A segunda edição do Histórias que Ficam foi marcada pela inclusão de eventos abertos ao público em todas as etapas do Programa, como estratégia para ampliar ainda mais a difusão do documentário, além de levar para o maior número de pessoas as reflexões propostas por cada um dos projetos.

O Lançamento do Programa, em 16/09/2014 na Cinemateca Brasileira foi o primeiro evento aberto e contou com a exibição de “Homem Comum” de  Carlos Nader, seguida por debate com Amir Labaki, crítico de cinema, fundador e diretor do É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários, o principal e mais antigo evento dedicado exclusivamente ao cinema documental na América Latina e Daniela Capelato.

Outra inovação do Programa foi a participação dos consultores internacionais: Miguel Machalski, roteirista e consultor franco-argentino e Paola Castillo, diretora e produtora chilena.


EVENTO | MASTERCLASS – O ROTEIRO NO DOCUMENTÁRIO

Em 19 de maio de 2015, na Unibes Cultural, o roteirista e consultor Miguel Machalski, falou para o auditório lotado de estudantes, produtores e interessados em audiovisual, sobre o papel do roteiro no documentário.


LABORATÓRIO DE ROTEIRO E PRODUÇÃO

Com o projeto ainda no papel, realizadores e consultores passaram quatro dias em um hotel no interior de São Paulo totalmente dedicados a amadurecer os conceitos sobre cada um dos filmes.

Para colaborar neste processo de amadurecimento, consultores de diferentes áreas conversaram com os realizadores sobre: pesquisa, roteiro, direção, produção e fotografia. O diretor e o produtor tiveram encontros individuais com os consultores onde foram debatidas questões específicas sobre cada um dos filmes.

Consultores participantes: Marcelo GomesDaniela CapelatoMiguel Machalski e Flávio Botelho.

Esta imersão possibilitou que os realizadores refletissem sobre o conceito de seus respectivos projetos e elaborassem suas ideias na prática. Depois desta vivência, os realizadores iniciaram a produção dos documentários.


EVENTO | A MONTAGEM NO AUDIOVISUAL

Mais uma vez o auditório lotado da Unibes Cultural se tornou palco para troca de experiências entre os profissionais e interessados em montagem no documentário. Com a mediação de Daniela Capelato, os diretores e montadores convidados Daniel Rezende, Karen Harley e Rodrigo Siqueira, falaram sobre suas experiências em transformar horas de material bruto em filmes que vemos na tela. Também foi alvo do debate a relação diretor-montador, diferentes métodos de montagem e estilos de construções narrativas.


LABORATÓRIO DE MONTAGEM

Com o primeiro corte, e a maior parte do material já captado, os consultores compreenderam de maneira mais palpável, a visão de cada diretor, e assim, conseguiram ajudá-los na realização dos filmes.

Neste encontro presencial, o processo de imersão foi ainda mais profundo. Foram montadas ilhas de edição em um hotel no interior de São Paulo, onde os consultores e realizadores ficaram hospedados. Durante cinco dias, consultores e realizadores se debruçaram sobre a primeira versão dos filmes e debateram questões como: narrativa, linguagem, direção, montagem e aspectos sonoros de cada um dos filmes.

A partir dos debates com os consultores, os realizadores tiveram a possibilidade de fazer novas experimentações nas ilhas de edição.

Consultores participantes: Marcelo GomesDaniela Capelato e Karen Harley.


LABORATÓRIO DE DISTRIBUIÇÃO

O 3º laboratório do Programa, novidade da 2ª edição, aconteceu simultaneamente ao  DocSP. Com os filmes em fase de finalização, os realizadores tiveram consultorias individuais de distribuição com Paolla Castillo, diretora Executiva do ChileDOC, e Mariana Oliva, diretora, produtora e coordenadora de capacitação e mercado do DocSP.Os realizadores tiveram acesso livre às palestras e seminários organizados pelo evento e puderam participar das Rodadas de Negócio – reuniões entre os responsáveis dos projetos com representantes de canais de TV, distribuidores e festivais – uma oportunidade para financiamento e posicionamento nacional e internacional.


PAINEL HISTÓRIAS QUE FICAM – CAMINHOS PARA A DISTRIBUIÇÃO DO DOCUMENTÁRIO BRASILEIRO

Como parte da programação do DocSP – Encontro Internacional de Documentário de São Paulo, o Histórias que Ficam realizou o Painel: Caminhos para a distribuição do documentário brasileiro com Cleber Eduardo, crítico e curador do Festival de Tiradentes, Silvia Cruz, fundadora da Vitrine Filmes, e Fábio Lima, diretor executivo da Sofá DigitaL.

CONHEÇA OS CONSULTORES

Marcelo Gomes

Marcelo Gomes, nasceu em Recife (PE). Seu primeiro longa: “Cinema Aspirinas e Urubus”, participou do Festival de Cannes em 2005 e ganhou o Prêmio do Ministério da Educação da França. O filme recebeu mais de 50 prêmios em festivais nacionais e internacionais. Em 2009 lançou, no Festival de Veneza, seu segundo longa: “Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo”, co-dirigido com Karim Ainouz. Seu terceiro longa: “Era uma vez eu, Verônica”, estreou no festival de Toronto em 2012 e foi premiado nos Festivais de San Sebastian, Brasília, Havana e Guadalajara. “O Homem das Multidões”, co-dirigido com Cao Guimarães, participou da sessão Panorama do Festival de Berlin de 2014 e recebeu prêmios em festivais como Rio de Janeiro, Guadalajara, México e Toulouse, na França.

.

Daniela Capelato

Formada em Comunicação, foi gerente do Núcleo de Cinema e Vídeo do Itaú Cultural, onde coordenou a realização de mostras de filmes e a produção de documentários, entre eles “Santo Forte”, de Eduardo Coutinho.  Produziu os filmes: “Viajo porque preciso, Volto porque te amo”, de Marcelo Gomes e Karim Ainouz; “Do outro lado do Rio”, de Lucas Bambozzi; “Só Deus sabe”, de Carlos Bolado e a série para TV “Caminhos”. Assinou o roteiro dos documentários: “Do outro lado do rio”; “Brasil na virada do milênio”, com Marcelo Gomes; “Antes de ontem, depois de amanhã”, de Chris Liu e o curta “Viva volta”, de Heloisa Passos. Como roteirista, trabalhou junto com Marcelo Gomes na escrita do longa de ficção: “Tudo Bem, Tudo Bom”, de Willy Biondini (Bossa Nova Films). É consultora de projetos de longas e do laboratório de desenvolvimento de série para a televisão, do Centro de Narrativas Audiovisuais (CENA), do Instituto Dragão do Mar, em Fortaleza (CE).

 

Karen Harley

Pernambucana, graduada em Jornalismo na PUC do Rio de Janeiro, é montadora de cinema. Montou os filmes “Cinema, Aspirinas e Urubus”, “Era uma vez eu, Verônica” de Marcelo Gomes, “Baixio das Bestas”, “Febre do Rato” de Cláudio Assis, “A Festa da Menina Morta“ de Matheus Nachtergaele, “Janela da Alma” de João Jardim e Walter Carvalho,  “Brasileirinho”, “Moro no Brasil”, “Honey Baby” de Lina Chamie, “Os Amigos” de Murilo Salles, entre outros. Dirigiu “Lixo Extraordinário” em parceria com João Jardim e Lucy Walker, sobre o trabalho do artista Vik Muniz com um grupo de catadores de lixo do Jardim Gramacho. Foi montadora do longa “Que horas ela volta?” de Anna Muylaert, premiado nacional e internacionalmente.

Miguel Machalski

Miguel Machalski é argentino e vive em Paris, trabalha na área de cinema internacional como roteirista, consultor e educador. É autor e co-autor de 17 roteiros de diversos gêneros. Dá oficinas e assessora projetos na Europa, Ásia, África, Oriente Médio e América Latina. Autor de dois livros de roteiro: El Guion Cinematográfico: Un Viaje Azaroso, publicado na Argentina, reeditado pela Escola Internacional de Cinema e Televisão (Cuba) e El Punto G del Guión Cinematográfico. Tem realizado consultorias de roteiro para diversos filmes brasileiros, entre eles O Lobo atrás da porta, de Fernando Coimbra.

Flávio Botelho

Produtor e diretor, já participou de documentários e ficções, longas e curtas-metragem. Assumiu a produção executiva e assistência de direção dos longas-metragens “Homem Comum”, e  “Pan-Cinema Permanente” ambos de Carlos Nader. Foi produtor do filme “Jean Charles” de Henrique Goldman, primeira co-produção entre o Brasil e o Reino Unido. Co-dirigiu com Carlos Nader episódios para a série documental “Nossa Terra, Nossa Gente”, para o Canal Futura. Como diretor realizou o curta-metragem “O Taxi de Escher” com o roteirista Aleksei Abib e o média-metragem “Crônicas de Uma Cidade”.

 

Mariana Oliva

Formada em Jornalismo pela PUC-SP, com especialização em Direção de Documentários pela universidade de Edinburgh. Foi coordenadora  de projetos especiais e cooproduções da TAL – Televisión América Latina. Foi curadora da série “Documentários de Invenção” para o canal curta! e da série “Mirados” para o canal Brasil. É coordenadora de relações institucionais do DocMontevideo.

 

 

Paolla Castillo

Jornalista, formada em Direção de Cinema pela Escola Internacional de Cinema e Televisão de San Antonio de los Banos, em Cuba. Já trabalhou com escritores e cineastas renomados como Gabriel García Márquez e Patricio Guzmán. Conta com uma sólida formação cinematográfica, trabalhou em diversas produtoras, a principal delas foi a “Nueva Imagen”, na qual dirigiu programas culturais para a TVN, como o Show dos Livros (Chile), premiado nacional e internacionalmente. Atualmente é Diretora Executiva do ChileDOC.