1ª Edição


LABORATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO PROJETO E PRODUÇÃO

Com o projeto ainda no papel, os realizadores e consultores passaram quatro dias em um hotel no interior de São Paulo totalmente dedicados a amadurecer os conceitos sobre cada um dos filmes.

Para colaborar neste processo de amadurecimento, consultores de diferentes áreas conversaram com os realizadores sobre: pesquisa, roteiro, direção, produção e fotografia. O diretor e o produtor tiveram encontros individuais com os consultores onde foram debatidas questões específicas sobre cada um dos filmes. Esta imersão possibilitou que os realizadores refletissem sobre o conceito do seus respectivos projetos, elaborassem suas ideias na prática e fizessem uma imersão profunda no universo dos filmes que realizaram.

Consultores participantes: Marcelo GomesDaniela CapelatoCarlos NaderGuilherme CoelhoLeo EddeLuiz Bolognesi Walter Carvalho.

Depois desta vivência, os realizadores iniciaram a produção dos documentários.

LABORATÓRIO DE MONTAGEM

Após as gravações e já com o primeiro corte do filme, aconteceu o Laboratório de Montagem. Neste encontro presencial, com cinco dias de duração, o processo de imersão foi ainda mais profundo.

Com o primeiro corte, e a maior parte do material já captado, os consultores compreenderam de maneira mais palpável, a visão de cada diretor e assim, conseguiram ajudá-los na realização dos filmes.

Foram montadas ilhas de edição em um hotel no interior de São Paulo, onde os consultores e realizadores ficaram hospedados. Consultores e realizadores se debruçaram sobre a primeira versão dos filmes, e debateram questões como: narrativa, linguagem, direção, montagem e aspectos sonoros de cada um dos filmes.

Consultores participantes: Marcelo GomesDaniela CapelatoKaren HarleyWaldir Xavier.

Depois desta vivência, os realizadores tiveram mais sete meses para a conclusão da montagem.

CONHEÇA OS CONSULTORES

Marcelo Gomes

Marcelo Gomes, nasceu em Recife (PE). Seu primeiro longa: “Cinema Aspirinas e Urubus”, participou do Festival de Cannes em 2005 e ganhou o Prêmio do Ministério da Educação da França. O filme recebeu mais de 50 prêmios em festivais nacionais e internacionais. Em 2009 lançou, no Festival de Veneza, seu segundo longa: “Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo”, co-dirigido com Karim Ainouz. Seu terceiro longa: “Era uma vez eu, Verônica”, estreou no festival de Toronto em 2012 e foi premiado nos Festivais de San Sebastian, Brasília, Havana e Guadalajara. “O Homem das Multidões”, co-dirigido com Cao Guimarães, participou da sessão Panorama do Festival de Berlin de 2014 e recebeu prêmios em festivais como Rio de Janeiro, Guadalajara, México e Toulouse, na França.

Daniela Capelato

Formada em Comunicação, foi gerente do Núcleo de Cinema e Vídeo do Itaú Cultural, onde coordenou a realização de mostras de filmes e a produção de documentários, entre eles “Santo Forte”, de Eduardo Coutinho.  Produziu os filmes: “Viajo porque preciso, Volto porque te amo”, de Marcelo Gomes e Karim Ainouz; “Do outro lado do Rio”, de Lucas Bambozzi; “Só Deus sabe”, de Carlos Bolado e a série para TV “Caminhos”. Assinou o roteiro dos documentários: “Do outro lado do rio”; “Brasil na virada do milênio”, com Marcelo Gomes; “Antes de ontem, depois de amanhã”, de Chris Liu e o curta “Viva volta”, de Heloisa Passos. Como roteirista, trabalhou junto com Marcelo Gomes na escrita do longa de ficção: “Tudo Bem, Tudo Bom”, de Willy Biondini (Bossa Nova Films). É consultora de projetos de longas e do laboratório de desenvolvimento de série para a televisão, do Centro de Narrativas Audiovisuais (CENA), do Instituto Dragão do Mar, em Fortaleza (CE).

Carlos Nader

Entretecendo linguagens que vão do documentário clássico à videoarte, Carlos Nader é acima de tudo um ensaísta. Entre seus temas principais estão a questão da identidade, a sensação do tempo e a relação do homem com a câmera, numa era extremamente midiatizada.Seus vídeos foram exibidos em centros culturais de mais de 20 países (como o MOMA em 1999, o Guggenheim em 2001, o Stedelijk e a Tate Modern em 2007 ) e veiculados em mais de uma dezena dos principais canais de TV internacionais (como o inglês Channel 4 e o Franco-Alemão ARTE). Entre os prêmios que recebeu estão o Mondial de la Vídeo de Bruxelles (1993), o Internationaler Videokunstpreis da ZKM (1998) na Alemanha, o Grande Prêmio de Cinema Brasil de Melhor Vídeo (2000), o de Melhor Documentário Brasileiro no É Tudo Verdade (2008), o Prêmio Especial do Júri da APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) (2008), Prêmio de Melhor Curta Metragem nos Festivais de Havana e Paulínia (2012) e o de Melhor Documentário Brasileiro no É Tudo Verdade (2014).

Guilherme Coelho

Diretor, roteirista, produtor e jornalista, já participou da realização de documentários, séries de TV e videoclipes. Formado em economia pela Universidade de Stanford, já ganhou prêmios do Festival do Rio e teve seus trabalhos exibidos no Festival de Berlim, no Festival de Roterdã, no Miami Internacional e na 30ª Mostra de São Paulo. Dirigiu os documentários “Fala Tu”, “PQD”, “Fernando Lemos: Atrás da Imagem” e “Um domingo com Frederico Moraes”. Produziu os documentários “Moscou” e “Jogo de Cena” de Eduardo Coutinho, “Cildo” de Gustavo Moura, e “5+5+” e “Carnaval para D. João VI” de Rodrigo Lamounier.

Karen Harley

Pernambucana, graduada em Jornalismo na PUC do Rio de Janeiro, é montadora de cinema. Montou os filmes “Cinema, Aspirinas e Urubus”, “Era uma vez eu, Verônica” de Marcelo Gomes, “Baixio das Bestas”, “Febre do Rato” de Cláudio Assis, “A Festa da Menina Morta“ de Matheus Nachtergaele, “Janela da Alma” de João Jardim e Walter Carvalho,  “Brasileirinho”, “Moro no Brasil”, “Honey Baby” de Lina Chamie, “Os Amigos” de Murilo Salles, entre outros. Dirigiu “Lixo Extraordinário” em parceria com João Jardim e Lucy Walker, sobre o trabalho do artista Vik Muniz com um grupo de catadores de lixo do Jardim Gramacho. Foi montadora do longa “Que horas ela volta?” de Anna Muylaert, premiado nacional e internacionalmente.

Leo Edde

Produtor, diretor e montador, já participou da realização de longas de ficção e documentários. Participou de filmes premiados nos Festivais de Berlim, Guadalajara, Gramado, entre outros. Produziu “Thomaz Farkas, Brasileiro” e “Os Desafinados” de Walter Lima Jr, “Pachamama” de Eryk Rocha, “Soy Cuba – O mamute siberiano” de Vicente Ferraz, “Juventude” de Domingos de Oliveira e “Tropa de Elite II” de José Padilha, que tornou-se um dos filmes com a maior bilheteria do Brasil.

Luiz Bolognesi

Diretor e roteirista, já esteve envolvido na realização de documentários e ficções. Seus trabalhos já foram premiados nos Festivais de Gramado, Nova York, Montevidéu,Havana, Recife, Brasília, na Academia Brasileira de Cinema e na Associação Paulista dos Críticos de Arte. Escreveu e co-dirigiu os documentários “Cine Mambembe – o cinema descobre o Brasil” e “A guerra dos paulistas”. Como roteirista, participou dos filmes “Bicho de Sete Cabeças”, “O mundo em duas voltas”, “Chega de Saudade” e “As Melhores Coisas do Mundo”. Com Marco Bechis, escreveu o roteiro de “Terra Vermelha”.

Waldir Xavier

Montador de imagem e som, formou-se em cinema na Universidade de Paris VII. Estabeleceu-se na França durante quinze anos e trabalhou com diretores como Youssef Chahine, Yousry Nasrallah, Pedro Costa, João Botelho, Djamejed Ousmanof, Walter Salles e Karim Aïnouz. Teve seus trabalhos premiados no Festival de Havana, no Cine Ceará, no Festival Nacional de Cinema, entre outros. Editou o som de filmes como “Central do Brasil”, “Abril Despedaçado”, “Janela da Alma”, “Madame Satã”, “Cazuza – O tempo não pára”, “O Céu de Suely”, “Mutum”, “Amor?”, entre outros.

Walter Carvalho

Diretor e fotógrafo, esteve envolvido na realização de alguns dos mais importantes filmes brasileiros. Entre os mais de 40 prêmios que já recebeu, destacam-se os troféus em Festivais internacionais voltados para fotografia, como o CameraImage, na Polônia, o Câmera de Prata no Festival da Macedônia, além dos prêmios nos festivais de Cartagena e Havana. Entre seus principais trabalhos como diretor de fotografia estão: “Central do Brasil” de Walter Salles, “Lavoura Arcaica” de Luiz Fernando Carvalho, “Entreatos” de João Moreira Salles e “Madame Satã” de Karim Aïnouz. Entre os filmes que dirigiu estão: “Janela da Alma” codireção com João Jardim, “Cazuza – o tempo não para”, codireção com Sandra Werneck e “Raul Seixas, o início, o fim e o meio”